Ler, escrever e nos narrar

“Sei de gente que conta sua vida pelas casas em que morou, ou pelos filhos, empregos e até mesmo pelos carros.” Rosa Montero Quando esta coluna começou eu não sabia muito bem o que seria dela. Falar de livros, de como os livros nos movem, de como encontrar respostas nos livros, de como crescer lendoContinuar lendo “Ler, escrever e nos narrar”

Éramos nós

“Vivi, olhei, li, senti, Que faz aí o ler, Lendo, fica-se a saber quase tudo, Eu também leio, Algo portanto saberás, Agora já não estou tão certa, Terás então de ler de outra maneira, Como, Não serve a mesma para todos, cada um inventa a sua, a que lhe for própria, há quem leve aContinuar lendo “Éramos nós”

O fim de uma história é o começo de todas as outras

A palavra crônica deriva do latim chronica, sendo um termo usado antigamente para se referir ao relato de acontecimentos numa ordem temporal. Indica, portanto, um registro cronológico de eventos. Tais relatos tiveram origem na Antiguidade e foram muito comuns na Idade Média e no Renascimento europeu num sentido diferente do atribuído à palavra posteriormente comContinuar lendo “O fim de uma história é o começo de todas as outras”

Sistema reiniciado com sucesso

Às vezes é preciso sair do ar e, como os técnicos de informática sabiamente orientam, desligar o aparelho da tomada por dez segundos para só então voltar a ligar. Esta é uma necessidade de muitos de nós que vivemos inseridos nessa lógica de ser máquina. Até que chega o tempo em que há eletricidade demaisContinuar lendo “Sistema reiniciado com sucesso”

Ser Estado

Louis XIV, rei da França apelidado de O Rei Sol, tamanho seu poder e dono do reinado mais longo da história da Europa, afirmou que “l´état c´est moi” (o Estado sou eu) e sintetizou como ninguém o significado do absolutismo, isto é, o sistema de governo em que o soberano concentra em suas mãos todoContinuar lendo “Ser Estado”

E se, por um momento, delirarmos?

É possível que a gente pare um instante nessa vida que não para e se permita, ainda que por um breve momento, render-se a um pequeno delírio e imaginar como seria o mundo se tudo como conhecemos fosse diferente do que é? Pensar que as avenidas estivessem tomadas por cães e não por carros, eContinuar lendo E se, por um momento, delirarmos?

Entre fábulas, metáforas e a casa de todos nós

Desde muito cedo os animais nos ajudam a aprender lições valiosas. Seja através de lendas, seja através dos desenhos animados, a humanidade se entende melhor quando se vê na pele dos bichos. Jean de La Fontaine, poeta que alcançou sucesso com fábulas, colocava os animais como personagens centrais para assim dirigir suas críticas aos homens,Continuar lendo “Entre fábulas, metáforas e a casa de todos nós”

A maternidade das mães

Ser mãe é padecer no paraíso, dizem. O fato é que, com as mulheres tomando cada vez mais espaço na cena literária e o debate feminista avançando na sociedade, mais a maternidade é trazida para o foco das narrativas. Em As mães são muitas, de Katixa Agirre, lançado este ano pela Primavera Editorial, duas maternidadesContinuar lendo “A maternidade das mães”

A moeda de um lado só

Uma das grandes artimanhas da literatura é seu poder de narrar a mesma história de diversas formas. Às vezes, ainda que com elementos repetidos, consegue-se  enxergar um enredo completamente novo e essa versatilidade faz com que os leitores nunca esgotem sua infinita lista de livros para serem lidos. Lançado pela primeira vez em 1969, oContinuar lendo “A moeda de um lado só”

As marcas das minhas leituras

“Eu sou essa gente que se dói inteira porque não vive só na superfície das coisas.” Rachel de Queiroz A leitura é sempre marcante. Porém atrevo-me a dizer que, algumas leituras são mais que outras, pois alguns livros tatuam em nossa alma a sua essência sem que percebamos e suas histórias, personagens e trechos nosContinuar lendo “As marcas das minhas leituras”